Porto Velho: Programa de Aquisição de Alimentos beneficia entidades sociais

Foram atendidos hospitais e famílias com dez toneladas de produtos na capital.

Consolidado como um mecanismo importante para a diversificação das culturas na agricultura familiar em Rondônia, beneficiando mais de 1.300 produtores familiares, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), coordenado pela Secretaria Estadual de Agricultura (Seagri).

 Com execução da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), recebeu na manhã desta terça-feira (6) cerca de dez toneladas de produtos oriundos do Baixo-Madeira, assentamentos, distritos de Porto Velho e outros municípios que já conseguiram atender a toda demanda do ano com a distribuição entre entidades assistenciais.

De acordo com o coordenador estadual do PAA, Arnaldo Brito, estes produtos considerados a sobra serão distribuídos entre as entidades cadastradas na capital, Porto Velho, onde a demanda é bem maior.

Ao destacar a importância do programa para as entidades e famílias vulneráveis, bem como para os agricultores familiares que comercializam a produção com antecedência para o governo, a responsável pelo escritório local da Emater-RO que gerencia o PAA, Ivanete Azevedo, explicou.

 Serão beneficiados também assentados, quilombolas, ribeirinhos e famílias agrícolas, assim como cerca de 200 entidades assistenciais cadastradas nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), os hospitais que atendem pacientes com câncer (São Pelegrino e de Amor Amazônia), a Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Rondônia (Fhemeron), escolas, entre outros.

Na manhã desta terça-feira, uma variedade de produtos, entre frutas, verduras e legumes, estava sendo descarregada no pátio do Clube da Associação dos Empregados da Emater, para em seguida ser distribuídos entre as entidades cadastradas.

 “Tudo será entregue ainda hoje”, disse Ivanete, adiantando que o programa prima pela qualidade, e por isso requer rapidez na distribuição por se tratar de produtos que em sua maioria é perecível, como abacaxi, melancia, peixe e milho verde.

Coordenadora do Cras Dona Cotinha, Maria do Carmo disse que pelo menos 250 idosos são beneficiados e 180 entidades sociais, entre elas 60 que ainda não têm o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), mas têm o trabalho reconhecido.

Texto: Veronilda Lima

Comentarios