Manutenção da RO-133 garante o escoamento do calcário para atender a demanda

17 outubro, 2020

Os serviços estão sendo executados pela 11ª Residência Regional do DER.

O Departamento Estadual de Estradas de Rodagem e Transporte (DER) realiza uma força tarefa que tem garantido a manutenção e trafegabilidade da RO-133, em Espigão d’Oeste.

“Esta rodovia é de extrema importância para todo o Estado de Rondônia, assim como para a região Norte, tendo em vista que boa parte do calcário utilizado pelo agronegócio é produzido pela Companhia de Mineração de Rondônia (CMR).

Também existem muitos pecuaristas e agricultores que utilizam está via para o escoamento da sua produção”, explica o residente regional do DER, Thiago Fajardo

Com início em Espigão d’Oeste e término na CMR, a “Rodovia do Calcário” tem aproximadamente 50 quilômetros de extensão.

A rodovia está sob a responsabilidade da 11ª Residência do DER de Pimenta Bueno que é responsável por uma malha rodoviária de 700 quilômetros, sendo que deste total, 540 quilômetros são de estradas não pavimentadas.

Os serviços de manutenção na RO-133 consistem na limpeza de saídas de água, patrolamento, elevação do greide, cascalhamento e ainda na implantação de bueiros armcos.

Além da CMR, a RO-133 garante o acesso a várias comunidades indígenas e também às comunidades de pequenos produtores rurais, como Canaã e Caladinho, que contribuem de maneira significativa para geração de empregos e renda.

COMPANHIA DE MINERAÇÃO

Administrada pelo Governo de Rondônia, a Companhia de Mineração é responsável pelo fornecimento de calcário para todo o Estado e também para os estados do Acre e Amazonas.

O calcário é bastante utilizado para a correção da acidez do solo, sendo indispensável para o agronegócio, tanto para a agricultura como para a pecuária.

Nos últimos 11 anos, a média anual de produção na CMR girava em torno de 40 mil toneladas de calcário.

Neste ano, essa produção já superou mais de 150 mil toneladas e a expectativa é alcançar 200 mil toneladas.

“Hoje estamos preparados para, no próximo ano, atender a demanda máxima da usina Félix Fleury, que é de 400 mil toneladas. A CMR administra hoje a maior jazida de calcário de toda a região Norte do Brasil.

De acordo com estudos, temos uma jazida que nos fornecerá calcário por mais 280 anos”, destaca Euclides Nocko, presidente da Companhia de Mineração de Rondônia.

Fonte: SECOM – GOV/RO

Comentarios