Fortuna do fundo partidário começa a chegar aos cofres de 32 partidos a partir da segunda quinzena de agosto

1 agosto, 2022

Os partidos começam a receber toda a grana do fundo partidário a partir da segunda quinzena de agosto. É dali em diante que a campanha vai aquecer mesmo. Alguns deles terão verdadeiras fortunas, como o União Brasil, de Luciano Bittar (apenas como exemplo), que receberá mais de 782 milhões de reais.

O PT será o segundo, com 503 milhões; o MDB o terceiro, com 363 milhões; o PSD, 349 milhões e o PSDB, com 320 milhões. O novo partido do presidente Bolsonaro ficará em sexto lugar entre as siglas melhor aquinhoadas nesta grana toda, recebendo ´pouco mais de 288 milhões.

Toda essa dinheirama vai também regar os cofres de 32 de partidos, alguns deles que existem apenas como balcões de negócio e que jamais elegeram sequer um vereador. Um tal de PCO, por exemplo, que só se torna conhecido em época de eleição, que nunca teve um só representante eleito, vai levar mais de 3 milhões nesta brincadeira com o dinheiro do contribuinte.

O PMB, o famigerado partido da mulher brasileira, comandado por homens e que raramente tem dirigentes ou candidatas mulheres, também receberá o mesmo valor. Assim como um tal de União Popular (UP), que obviamente ninguém jamais ouviu falar, fora da sede do partido, que não se sabe onde é, também vai colocar a mão nessa grana toda.

Essa mamar nas tetas do dinheiro público para fazer política vem de longe. Criado em 2017, o Fundão, nas eleições de 2018, era de 1 bilhão e 700 milhões de reais. Para 2022, cresceu quase três vezes e chega à fortuna de 4 bilhões 961 milhões, ou seja, batendo na casa dos 5 bilhões. É você, eleitor e trabalhador, quem paga tudo isso. Não esqueça disso, quando for votar em outubro.

Por: Sérgio Pires

Comentarios