Conab prevê que área plantada de algodão vai quase dobrar; três cidades concentram lavouras da pluma

Área plantada de soja deve alcançar 343 mil hectares na próxima safra

A produção de algodão em Rondônia deve dobrar nesta safra. A expectativa foi divulgada no segundo levantamento da safra 2019/2010 de grãos publicado esta semana pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O estudo mostrou que o Estado elevou o número de cultivo a quase 90% acima da safra 2018/19, tanto para o produto em caroço como em pluma. Com isso, o algodão em caroço deve alcançar 36,8 mil toneladas, com aumento de 88,7%, e o de pluma, 14 mil toneladas e acréscimo de 89,2%.

A área sinaliza uma posição positiva também, chegando a 9,8 mil hectares e variação relacionada à última safra de cerca de 88%. A produtividade do produto em caroço é de 3.750 kg/ha e da pluma, 1.425 kg/ha.

O cultivo tende a se concentrar nas regiões de Cabixi, Pimenteiras do Oeste e Vilhena. Em termos de financiamento, a apuração dos técnicos da Conab no Estado aponta para cerca de 60% dos recursos provenientes dos produtores, 25% oriundos de fornecedores de insumos e 15% captados do Banco da Amazônia e do Banco do Brasil.

Outro produto que se destaca no Estado é a soja, que apresenta bom desempenho e aumento de 1,3% frente à safra passada, alcançando 1,1 milhão de toneladas.

A área cultivada da oleaginosa pode alcançar 343.700 hectares. Neste cultivo, 15% da área é financiada por meio de bancos oficiais e cooperativas de crédito, outros 15% do próprio produtor e os 70% finais são captados por meio de tradings e revendas.

A pesquisa mostra ainda que culturas como arroz de sequeiro, milho primeiro e segundo safras e feijão segundo safras não obtiveram números animadores. O arroz deve ter queda de 1,5% no estado, o milho primeiro safra de 0,7% e o segunda safra de 2,2%, produzindo respectivamente 135,4 mil toneladas e 909 mil toneladas no total das duas safras. Já o feijão segundo safra sofre uma redução maior, de 7,4%, para uma colheita de 5 mil toneladas.

Por Conab

Comentarios