Bolsonaro anuncia que general vai liberar hoje o protocolo da cloroquina

Bolsonaro diz que ministro interino assinará, hoje, o protocolo para prescrição do medicamento já nos primeiros sintomas da covid-19 e quem não quiser, ”toma Tubaína”. Coordenadora do Conselho Nacional da Saúde alerta para o perigo à vida com uso do remédio

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, ontem, que o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, vai assinar, hoje, o novo protocolo para uso da cloroquina, que deve recomendar a prescrição do medicamento assim que pacientes apresentarem os primeiros sintomas da covid-19, e não apenas nos quadros graves da doença. O novo texto também vai definir as dosagens apropriadas para cada tipo de pessoa infectada.

Em live com o jornalista Magno Martins ontem à noite, Bolsonaro disse que Pazuello seguirá à frente do ministério “por enquanto”. “Deixa o Pazuello lá, está indo muito bem. É uma pessoa inteligente, um gestor de primeira linha. Ele é de intendência, um tremendo de um gestor”, elogiou.

Durante a entrevista, o presidente enalteceu o antecessor da pasta, Nelson Teich, a quem chamou de amigo. Segundo ele, o oncologista tem mantido contato com Pazuello para dar algumas dicas, ao contrário do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, que foi criticado pelo chefe do Palácio do Planalto por ter reclamado da atuação do governo federal nas últimas semanas.

Tanto Mandetta quanto Teich, ambos médicos, deixaram o governo por não aceitarem as pressões de Bolsonaro para autorizar a flexibilização do isolamento social no país e a aplicação em larga escala da cloroquina.

A vontade do chefe do Executivo sobre o medicamento não encontrou resistência em Pazuello, que não é médico e, sim, militar.

Ao protelar a nomeação de um ministro titular, o comandante do Planalto evita um eventual novo desgaste na Saúde, em caso de mais divergência de pensamentos em relação ao combate ao coronavírus.

Fonte: Augusto Fernandes

Comentarios